Agrodefesa detecta praga em bananais de municípios da região

05/12/2018
doenca-da-banana05122018.jpg

A Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) detecta a ocorrência da praga Sigatoka Negra (Mycospherella fijiensis) em áreas não comerciais de banana nos municípios de Arenópolis, Baliza, Bom Jardim de Goiás e Doverlândia, todos no extremo Oeste goiano.


De acordo com a gerente de Sanidade Vegetal da Agência, Daniela Rézio e Silva, há indícios que a praga chegou ao Estado em decorrência da aquisição de mudas de banana fora de Goiás, sem atestado de sanidade vegetal, em especial por produtores de municípios na divisa com outros estados onde está presente a Sigatoka Negra.


Desde 2006, graças ao trabalho fitossanitário desenvolvido pela Agrodefesa, Goiás é reconhecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) pelo status de área livre de Sigatoka Negra, conforme a Instrução Normativa Federal nº 29/2006.


Agora, em decorrência das medidas emergenciais adotadas pelos fiscais estaduais agropecuários da Agência após constatação de casos de Sigatoka, o Mapa reafirmou a posição de Goiás com o status sanitário de área livre da doença, com exceção dos quatro municípios onde foram detectados os focos e outros 17 municípios localizados até um raio de 70 quilômetros das áreas afetadas, conforme a Instrução Normativa Federal nº 44 de 22 de outubro de 2018.


Ação rápida


Além de Arenópolis, Baliza, Bom Jardim e Doverlândia, a normativa do Mapa inclui os municípios de Amorinópolis, Aragarças, Caiapônia, Diorama, Fazenda Nova, Iporá, Israelândia, Ivolândia, Jaupaci, Jussara, Mineiros, Moiporá, Montes Claros de Goiás, Palestina de Goiás, Piranhas, Santa Fé de Goiás e Santa Rita do Araguaia.


Conforme explica o coordenador do Programa de Banana da Agrodefesa, Juraci Rocha, os técnicos da Agrodefesa agiram de forma rápida após constatar os focos, como forma de delimitar a área de ocorrência da praga e conter a sua disseminação para outras regiões de Goiás e demais unidades da Federação.


A primeira constatação da praga no Brasil foi em 1998, no Estado do Amazonas e, por ser considerada a doença fúngica mais grave e destrutiva da bananeira, desde 2000 a Agrodefesa adota medidas de prevenção para evitar a introdução desta praga em Goiás.


Nos municípios listados pela Instrução Normativa do Mapa, o comércio de frutos de banana só será permitido após implantação do Sistema de Mitigação de Risco (Instrução Normativa Federal nº 17/2005), de modo a minimizar os impactos dos danos econômicos e fitossanitários acarretados pela praga na produção de banana.


Diante da importância econômica da cultura, os produtores devem ficar atentos quanto à obrigatoriedade do cumprimento da legislação, como forma de evitar o risco de disseminação da Sigatoka Negra em Goiás. Um dos principais aspectos a serem observados é a aquisição de mudas de viveiros idôneos, reconhecidos como livres da praga. (Do goias.go.gov.br)

O que achou dessa Notícia?
3 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.