PCHs Tamboril e Rênic fecham parcerias com a Rede de Ensino de Palestina

27/09/2013
palestina-capa.jpg

Com a contratação do biólogo Elias Centofante, para gerenciar o Departamento de Meio Ambiente das PCHs Tamboril e Rênic, localizadas no Rio Bonito, na divisa de Palestina de Goiás e Arenópolis, representantes da Tamboril Energética e Carnaúba Geradora reuniram-se, na última quarta-feira (25) com autoridades de Palestina de Goiás, com o intuito de fechar parcerias com a rede básica de ensino. 


O gerente Prof. Elias e a bióloga Maiara Francielle, estiveram na Secretaria Municipal de Educação, com a Secretária Leila Maria Sousa e Silva e Maria Joana de Queiroz, Diretora da Escola Municipal Maria Isabel de Figueiredo. Trataram da contribuição das usinas hidrelétricas, na implantação de um viveiro de mudas, o qual servirá para motivar os estudantes em relação às causas ecológicas, defendendo o meio ambiente e promovendo o reflorestamento e a recuperação ambiental.


A área provável de instalação deste viveiro será no Clube Municipal de Palestina de Goiás e está previsto a ser construído no próximo mês.


Logo após, no Colégio Ana Algemira do Prado, agendou-se uma série de palestras abordando o tema: “Combate a Exploração Sexual Infantil”.


A diretora Vera Lúcia Gonçalves de Amaro enfatizou que este tema é fundamental, vez que as crianças e adolescentes tem iniciado a vida sexual precocemente e palestras, demonstrando os riscos principalmente com a chegada de pessoas de várias localidades aos empreendimentos, é, de extrema importância.
Participou da conversa também a Professora Elza Figueiredo que citou a necessidade da explanação deste tema aos alunos. A diretora se prontificou a colaborar cedendo o local e liberando os alunos para participarem das Palestras.


Nova Gerência de Meio Ambiente


Na salutar política de interação e integração com a força de trabalho regional, as usinas hidrelétricas PCHs Tamboril & Rênic contrataram o experiente professor e biólogo Elias Centofante, Mestre em Ecologia e Conservação, para chefiar o Departamento de Meio Ambiente das PCHs, ora em implantação no Rio Bonito, na divisa dos municípios de Arenópolis e Palestina de Goiás.


O reconhecido professor Elias Centofante, professor da FAI/FMB, participou do Projeto Ambiental da PCH Santo Antônio do Caiapó, soma a inteligência técnica desenvolvida localmente com o magistério superior de Iporá, contribuindo fortemente para que a implantação e o aproveitamento da abundante energia hidrelétrica sejam sempre no preceito básico de obediência plena às determinações e recomendações técnicas e à legislação ambiental, nas PCHs Tamboril e Rênic.


Com experiência na área ambiental, o Professor Elias irá gerenciar os Programas Ambientais exigidos pela SEMARH (Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos) implantando medidas mitigatórias de forma a diminuir os riscos de impactos ambientais na área do empreendimento.


Neste propósito, estará atento ao arrefecimento dos riscos ambientais, com a devida compensação e adotando as melhores medidas mitigadoras recomendáveis tecnicamente, no processo de a sustentabilidade, preservação e recomposições ambientais.


O Eng. Ambiental Diego Blanco e a Bióloga Maiara Francielle, fazem parte da equipe do Departamento de Meio Ambiente das empresas Tamboril Energética S/A e Carnaúba Geração de Energia S/A, presididas pelo geólogo Sevan Naves.


O que achou dessa Notícia?
4 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

4 comentários

  • Gerente DE Endemias Palestina 28/09/2013

    Em ralação ao impacto ambiental é sabido por todos que realmente nunca mais será restaurado, mas por outro lado deve ser feito o minimo para conservação do que ainda resta da fauna e flora aos redores destas pequenas usinas. E tomara que a geração de empregos e receita possa nossa região adequadamente melhorando o desenvolvimento socioeconômico e educação ambiental !!!
  • Gerente DE Endemias Palestina 28/09/2013

    Em ralação ao impacto ambiental é sabido por todos que realmente nunca mais será restaurado, mas por outro lado deve ser feito o minimo para conservação do que ainda resta da fauna e flora aos redores destas pequenas usinas. E tomara que a geração de empregos e receita possa nossa região adequadamente melhorando o desenvolvimento socioeconômico e educação ambiental !!!
  • Dhego Ramon 27/09/2013

    A priori, iniciativa é positiva. Não sei qual foi a compensação ambiental acordada entre empresa e órgão “ambiental competente?”. De um modo geral, se por no papel a perca “econômica ambiental” dos ecossistemas (aquático e terrestre) afetados, o que a empresa esta propondo para região é insignificante, com base nos impactos ambientais diretos, indiretos, de curto e logo prazo e irreversíveis. As “mentes” “pensantes” devirão ser mais abertas, técnicas do que alienadas, oportunistas, territorialistas e consumistas, além de valer de obsolescência perceptiva, o que de fato da resultado em um região onde a cultura o “coronelismo” ainda forte. Talvez “eles” não enxerguem o estão perca, mas, a muitos que sabem realmente o que estão fazendo. O interessante e que em todo Brasil o “JD” está presente.Afundado o pais. Está é a minha opinião. Não tenho nada contra ninguém. A, antes que
  • Alexandra Soares 27/09/2013

    Parabéns Maiara pelo seu belíssimo trabalho.

Comente

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano.