Secretaria de Educação impõe condições para que Ceconj exista em Iporá

03/02/2019
ceconj-fecha03022019.jpg

Prédio onde Ceconj funcionou

Não será simples para que o Centro de Educação e Convivência Juvenil Elias de Araújo Rocha – Ceconj – exista em Iporá. A secretária estadual de educação, Fátima Gavioli, impõe condições para isso e para quaisquer unidades do estado que pretendam permanência. Por hora, essas unidades em todo Estado estão consideradas extintas. 


Em Iporá houve muita resistência ao seu fechamento e, no contato de iporaenses com a secretária, foram colocadas as formas com as quais o Ceconj poderia ainda continuar a existir. Precisa ser elaborado um plano de ação para os CECONJs em todo Estado e, em cada unidade terão que ser levantadas as peculiaridades de cada município e, posteriormente, a secretária Fátima Gavioli vai avaliar este plano de ação. Se aprovado isto que for levantado pelo município, então será definido um local para que exista esta escola de oficinas.


No caso de Iporá, se o Ceconj voltar a funcionar, não será mais no prédio onde até então estava em atividade, já que o local está definido para ocupação do Colégio Estadual Betel. A secretária estadual de educação afirmou ainda que, se aprovado o plano de ação que definirá as peculiaridades de Iporá, o Ceconj local funcionará com abrangência menor, já que precisa atender as necessidades do Governo de Goiás em contenção de gastos.


Em Iporá, todos que estão interessados em continuidade do Ceconj estão contribuindo em elaborar este plano de ação, o qual deve ser entregue na Secretaria de Educação até a próxima sexta-feira, dia 8 de fevereiro.


Enquanto isso, os que trabalhavam no Ceconj estão procurando escolas da rede estadual para que sejam modulados em seus quadros de servidores. Eram 42 funcionários do Ceconj. Cada qual está procurando a escola mais próxima de sua residência para nova forma de trabalhar como servidor concursado do Estado. Em eventual volta do Ceconj e para que exista ainda em Iporá, seu quadro de servidores terá que ser recomposto, além de feita escolha de novo local. Eliane Alves, coordenadora interina de educação, afirma que não passa de boato o que foi dito sobre possibilidade do Ceconj funcionar na Escola Israel Amorim. Ela afirma que não há nenhum documento neste sentido, até porque ainda é preciso que seja analisado o plano de ação que está sendo elaborado, a fim de saber se o Ceconj terá permanência em Iporá.

O que achou dessa Notícia?
25 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.