Séria consequência da greve: escolas estaduais paralisam atividades. Portaria decreta recesso

29/05/2018
greve-de-camioneiro-e-educacao29052018.jpg

Em Iporá e demais municípios goianos a rede pública estadual de ensino decretou a paralisação. Nesta segunda-feira, 28, o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), uma portaria decretando recesso nas escolas da rede estadual de ensino a partir de hoje, terça-feira, dia 29 de maio. A decisão foi tomada pelo governador José Eliton, após ouvir o secretário Marcos das Neves, e tem o objetivo de garantir a todos os alunos o direito de acesso ao ensino.


Em Iporá, o coordenador regional de educação, professor Jerônimo Brito, explicou sobre a paralisação no ensino, enfatizando que trata-se de suspensão das atividades nesta terça, quarta e sexta-feira. Quinta-feira é feriado de Corpus Christi. As aulas retornam na segunda-feira, a não ser que a greve persista e que outro decreto seja expedido.


Nos últimos dias a paralisação do transporte rodoviário prejudicou o sistema do transporte escolar, uma vez que falta combustível para abastecer os ônibus que levam boa parte dos alunos às escolas. Também afetou diretamente o deslocamento de alguns professores para regiões de difícil acesso.


Diante da paralisação, o recesso surgiu como alternativa viável de proteger os alunos que estão sem condições de comparecer às aulas. A decisão do Governo de Goiás ganhou ainda mais força depois que as manifestações pelas rodovias entraram no 8º dia. A continuidade da paralisação tende a aumentar o número de ônibus escolares desabastecidos, prejudicando um número ainda maior de estudantes. Para evitar o agravamento da situação, optou-se pela publicação da portaria.


Desde a última sexta-feira, 25/5, a paralisação afetou a rotina de 311 escolas espalhadas por 17 municípios: Campos Belos (16), Catalão (8), Cidade de Goiás (14), Inhumas (28), Itaberaí (13), Itapaci (21), Itapuranga (15), Itumbiara (23), Jussara (24), Morrinhos (17), Piracanjuba (22), Piranhas (20), Pires do Rio (21), Planaltina de Goiás (18), Santa Helena de Goiás (15), São Luís de Montes Belos (23) e São Miguel do Araguaia (13).


O mau funcionamento do sistema de transporte escolar, causado pela falta de combustível, gerou ainda mais prejuízos nesta segunda-feira. Além das escolas já citadas, outras 141 unidades escolares precisaram paralisar as aulas pela ausência de grande parte dos alunos matriculados. São elas: Águas Lindas (25), Jataí (24), Novo Gama (26), Palmeiras de Goiás (01), São Miguel do Araguaia (02), Rio Verde (24), Faina (03), Aruanã (02), Iporá (25) e Caldas Novas (09).


A alternativa de recesso permite à Seduce reorganizar o calendário escolar. Desta forma, as aulas suspensas por causa da paralisação não serão perdidas. Ou seja: haverá reposição plena, cumprindo o ano letivo estabelecido pelo Ministério da Educação, que este ano prevê 200 dias de aula. As datas para reposição serão definidas pela Seduce, em parceria com as Coordenações Regionais de Educação, Cultura e Esporte (Creces), respeitando a agenda de cada região e adaptando tais dias às necessidades dos alunos, de forma que todos possam participar.

O que achou dessa Notícia?
8 votos