Cidadania de quem frequenta a Câmara e cobra ações dos vereadores

12/11/2019
heb-keller12112019.jpg

Cidadãos acompanhando trabalho dos vereadores

A participação popular, no acompanhamento aos atos dos políticos, ainda é pouca em Iporá ou em qualquer localidade do país.


Tudo poderia ser melhor se as pessoas exercessem, de fato, a cidadania, essa conduta de quem se sente inserido numa comunidade e no direito de cobrar dos eleitos e empossados, o que é de direito para si próprio e para toda comunidade.


Em sessão da Câmara de Vereadores de Iporá desta segunda-feira, 11, eram poucos os que ali acompanhavam o trabalho dos vereadores. Dentre estes, Heb Keller Fernandes de Oliveira e Cícero Augusto Ribeiro, o Jibóia. Foram à sessão nesse propósito de exercício da cidadania e em momento quando a comunidade sofre com a precariedade em fornecimento de energia elétrica.


Antes da ida à sessão, os dois já tinham manifestado em rede social sobre o assunto, com cobranças a Enel por melhor prestação de serviço e em alerta aos políticos para que reagissem, já que qualquer empresa neste Estado está sujeita a cumprir leis de respeito aos seus clientes.


Na Câmara, a presença dos dois iporaenses significou para os vereadores um clamor pela solução do grave problema que afeta Iporá. E embora a pauta da sessão fosse outra, os vereadores começaram a fazer discursos em torno da questão da Enel, uma empresa que assumiu um serviço essencial para todos, que atua em forma de monopólio no ramo, sem concorrência de qualquer outra, que não tem problema de inadimplência de seus clientes e que, no entanto, se recusa a fazer investimentos de manutenção de suas redes, de seus equipamentos, o que leva a esse grande caos, com demorados cortes no fornecimento de energia elétrica.


Mais do que discursos, os vereadores emitiram uma NOTA DE REPÚDIO A ENEL e marcaram uma reunião para debater o assunto e tomar medidas para resolver o problema.


Na opinião de Heb Keller, com quem a reportagem conversou, atitudes como essa dos vereadores, tem a ver com o clamor do povo, presença em sessões e cobrança. “Tudo poderia ser melhor se o povo participasse mais, cobrasse mais”, afirma ela. E ela é dessas milhares de donas de casa, indignadas com a frequente falta de energia elétrica, prejuízos, desconforto, embora a conta esteja pontualmente sempre paga.


A esperança de Heb Keller Fernandes de Oliveira e Cícero Augusto Ribeiro, o Jibóia, é de que o problema seja resolvido e de que o povo participe, tanto para dar solução para este caso, quanto a tantos outros.



Povo devia participar mais, com comparecimento em sessões da Câmara, onde assuntos importantes podem ser tratados

O que achou dessa Notícia?
10 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.