Sem diretores da Saneago não foi possível debater rede de esgoto

09/12/2019
331b679a-d966-402d-b7a1-e65e3cf614a009122019.jpg

A sessão da Câmara Municipal de Vereadores de Iporá que na manhã de ontem, segunda-feira, 9, debateria a questão da expansão das ligações de rede de esgoto sanitário, acabou não dando resultado prático porque diretores da Saneago não compareceram. Tinham avisado antes que havia impossibilidade de agenda para a data, sugerindo o dia seguinte. Isso foi feito, com nova reunião marcada para esta terça-feira, às 10 horas da manhã.


Quem compareceu em nome da Saneago foi apenas Marcos Júnior, que é diretor regional. Ele fez uso da palavra, durante a sessão, para avisar da impossibilidade de comparecimento de seus chefes superiores e disse que apenas eles, que são da área de investimentos é que podem debater o assunto, com condições de tomar decisões.


Estavam na Câmara 12 vereadores, o prefeito Naçoitan Leite, vice-prefeito Duílio Siqueira e chegou ainda o deputado federal Adriano do Baldy. A empresária Telma Paes Balduíno, do Grand Hotel, a maior prejudicada e mais interessada na expansão de ligações de esgoto sanitário, falou aos presentes sobre o seu problema, o qual a faz pensar em suspender as atividades da sua empresa.


Todos os que fizeram uso da palavra, em debate mediado por Suélio Gomes, solidarizam com ela. Mas não havia em auditório uma representação da Saneago ou da Elmo Engenharia (empreiteira) em condições de anunciar algo que possa criar expectativa de solução do problema. O deputado Adriano do Baldy disse que é preciso estudar o assunto a fundo e se propôs a isso. Enquanto a reunião transcorria, iniciou contatos com a diretoria estadual da Saneago para marcar também uma reunião em Goiânia, com ida de iporaenses na capital, para cuidar do assunto. Com reunião amanhã e possibilidade de ida a Goiânia na quinta ou sexta-feira próxima, o assunto prossegue em pauta.


A luta tem a ver com bairros da cidade de Iporá por onde já passaram a obra da rede de esgoto, mas não pode haver ligações para eliminar detritos, uma vez que falta uma obra de estrutura para acesso a Estação de Tratamento. No Grand Hotel o problema é mais grave. A empresa já tem 8 fossas, todas quase sempre saturadas e um custo alto para retirar estes detritos, com pagamentos onerosos para as empresas de limpa-fossas.


Telma Paes Balduíno, maior interessada nessa ampliação de possibilidades de ligações de rede de esgoto, fez uma mobilização que levou à Câmara membros da sua família, moradores de setores afetados, o novo presidente da CDL Francisco de Assis Souza e profissionais de imprensa, além de outros.


Espera-se para esta terça-feira uma reunião mais produtiva sobre o assunto.

O que achou dessa Notícia?
2 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.