Ato do Juiz, por meio de ofício circular, recomenda a líderes religiosos que se abstenham de atos eleitorais dentro ou nas proximidades de templos. Nem mesmo apresentação de candidato é permitida

14/09/2018



O que achou dessa Notícia?
38 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

3 comentários

  • osorio peres de oliveira 14/09/2018

    Parabéns ao Dr.Wander, uma atitude exemplar, mostrou que está atento.Domingo passado eu presenciei um líder religioso pedindo para distribuir material de campanha eleitoral na porta da Igreja. Fiquei incomodado com aquilo, para mim Igreja é local de adoração e não de fazer campanha política.
  • Ademi Alves Santana 14/09/2018

    Sobre o mesmo assunto que comentei sobre influência ou compra de votos. Este mesmo cidadão que se assentava no púlpito e era apresentado pelo pastor como candidato a vereador para mostrar que estava ajudando a igreja e ser beneficiado com os possíveis votos arrancou de um talão de cheques e preencheu no valor de 250,00 (duzentos e cinquenta reais)Estava presente este dia. Era muito barato assim a campanha, em cada templo tem em média 400 a 500 membros se a metade votar nele, desequilibra uma eleição. Esta é a realidade.
  • Ademi Alves Santana 14/09/2018

    Atitude louvável, não é de hoje que lideres religiosos usam de seus prestígios e dos púlpitos para apoiar candidatos. Este é chamado voto de cabresto, e os líderes, pastores atuam como antigos coronéis induzindo os membros de determinadas denominações a votar em quem ele indicar ou apoiar. O poder de induzir pela palavra é muito forte, a grande parte dos membros pessoas simples, sem esclarecimento, alguns semi analfabetos ou analfabetos. Deveria o juiz fazer chegar as mãos de cada líder esta circular entregue em cada templo através de oficial designado para a função para que no futuro aleguem desconhecimentos.Há muito sabemos de tantos descalabros, Em uma eleição de décadas passadas um candidato a vereador aqui em Goiânia se assentava no púlpito e era apresentado pelo pastor local. Alguns disseram que ele deu para o pastor determinada quantia que não me recordo o valor.

Comente

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano.