Evento da Justiça debateu rumos para combate a drogas entre adolescentes

21/09/2019
deputada-adriana-acorsi-em-ipora21092019.jpg

Deputada Adriana Acorsi e Juiz Dr. Samuel diante dos presentes no encontro

A tarde desta sexta-feira, 20, foi de um evento no auditório do Fórum, em Iporá, quando o assunto foi a definição de rumos para o combate a drogas entre adolescentes.


A iniciativa foi da Justiça, através do Dr. Samuel João Martins, Juiz da Vara da Infância e Juventude, que esteve mobilizando a comunidade iporaense e das cidades de Amorinópolis e Diorama para o 3º Encontro do Programa Justiça em Rede. Ana Angélica da Veiga Jardim foi a técnica responsável que organizou o evento e com participação de demais da equipe do Fórum, com presença em auditório das pessoas que são integrantes da Rede de Proteção a Criança e ao Adolescente na Comarca de Iporá. São estes os de órgãos públicos como Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), membros de conselhos tutelares, as secretarias municipais das áreas de educação e saúde, representantes de comunidades terapêuticas, pessoas que trabalham com projetos na área e a participação do Ministério Público, através do promotor, Dr. Sérgio de Sousa Costa.


Logo na abertura do evento ouviu-se uma fala da deputada Adriana Acorsi, que é também delegada e atuante na área de combate às drogas. Ela discorreu sobre drogadição, causas e aspectos socais. Sua fala foi considerada muito esclarecedora e recebeu, na mesma ocasião, uma homenagem dedicada a ela por Walter José de Queiroz, presidente do Conselho Anti-Drogas em Iporá. Ele, por sua vez, também enfocou aos presentes um projeto que desenvolve nas escolas. O Juiz Dr. Samuel João Martins discorreu sobre as dificuldades nas medidas de internação. O juiz também lamentou que a cidade de Iporá, embora com 32 mil habitantes, ainda não tenha uma CAPS (Centro de Atenção Psio-Social), que seria importante nessa tarefa, já que um serviço de saúde de caráter aberto e comunitário, constituído por equipe multiprofissional e que atua sobre a ótica interdisciplinar e realiza prioritariamente atendimento às pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas. A intenção dos presentes passou a ser de cobrar por instalação de um CAPS em Iporá.


Um professor de educação física e dono de academia em Iporá, o Dorivaldo, Doril, mostrou aos presentes um projeto que tem e que voluntariamente queria que fosse levado a efeito, mas falta recursos financeiros. Esse projeto que visa tirar adolescentes de situações de riscos perante drogas chama-se “Desenvolvendo Valores e promovendo cidadania”, teria como local o Lago Pôr-do-Sol, mas por enquanto é apenas uma teoria.


Ao final, a avaliação de todos foi de que traçou-se rumos positivos para a difícil tarefa de evitar a aproximação entre adolescentes e drogas.

O que achou dessa Notícia?
2 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.