Janeiro foi de chuvas com 116,4 mm acima do limite máximo previsto

07/02/2022
chuvas-de-janeiro-em-goias06022022.jpg

Conforme os dados informados pelo laboratório de climatologia do curso de Geografia da UEG de Iporá, coordenado pelos professores Washington S. Alves e Valdir Specian, no mês de janeiro de 2022 foi registrado um excesso de chuva na região de Iporá-GO.  Os dados revelaram que no referido mês choveu 479,6 mm de chuva. 


Esse valor equivale a 479,6 litros de água para cada metro quadrado da superfície. Nesse mês de janeiro/22 choveu 116,4 mm acima do limite máximo previsto estatisticamente para Iporá-GO que é de 363,2 mm, ou seja, estatisticamente esse valor corresponde ao valor máximo considerado dentro da normalidade para o mês de janeiro.


Na Figura 1 é possível identificar os anos em que no mês de janeiro foram registrados volumes de chuva acima e abaixo da normalidade. Muitas pessoas ficaram impressionadas com o volume de chuva ocorrido nesse último mês de janeiro (que realmente foi elevado), porém é importante ressaltar que em anos anteriores foram registrados volumes maiores, principalmente nos anos de 1982 (551,0 mm), 1997 (622,3 mm) e em 2016 (500,3 mm). 



Outro ponto importante a ser ressaltado é que conforme a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) estamos sobre influência de um evento de La Niña no oceano pacífico (fenômeno que interfere na distribuição e variabilidade das chuvas no em várias partes do planeta, inclusive no Brasil e em Goiás). A tendência dos meses de janeiro, em condições de La Niña, é de chuvas dentro e abaixo da normalidade, no entanto, vivenciamos um janeiro atípico que fugiu dessa condição. 


Entre os anos de 1975 e 2016 por 15 vezes foi registrado chuvas acima da normalidade no mês de janeiro. Apenas em duas oportunidades (1985 e 2022) essa situação ocorreu sob atuação do La Niña. Em todas as outras oportunidades ocorreram em condições de neutralidade ou em condições de El Niño. 


Muito provavelmente a associação entre o La Niño e outros fenômenos oceânico-atmosféricos podem ter proporcionado essa condição de excepcionalidade registrada em 1985 e 2022. 


Janeiro já findou e como fica o cenário das chuvas para fevereiro e março de 2022? Essa pode ser uma questão que muitos estão fazendo. Conforme os dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) há uma tendência de chuvas acima da normalidade para os referidos meses. Conforme a Figura 2, para fevereiro há uma previsão de um acumulado de chuva entre 230 mm a 260 mm com anomalias de 10 mm acima da normalidade. Para o mês de março o total de chuva é maior, a previsão aponta valores entre 260 mm e 300 mm e anomalias positivas de chuva de 50 mm acima da normalidade.



Tudo indica que ao findar desse período chuvoso de 2021/2022 os volumes de chuva serão maiores do que aqueles registrados no final do período chuvoso de 2020/2021. Mesmo que essa previsão se confirme, não indica que a preocupação com a redução do volume de água nos mananciais em nossa região deve ser esquecida. O problema que vivenciamos nos últimos anos não é decorrente apenas da variação dos volumes de chuva, mas sim das formas de apropriação dos recursos hídricos e de nossas bacias hidrográficas. 

O que achou dessa Notícia?
9 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente