Preocupação com crise hídrica atrai iporaenses para debate na Câmara

05/10/2017
eurides-laurindo-ipora05102017.jpg

Vereador Eurides presidiu audiência importante para aperfeiçoar projeto de lei que veio do Executivo

Ficou lotado, e até com pessoas na parte externa, o ambiente para a audiência pública promovida pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de Iporá, na noite de ontem, quarta-feira, 4. A intensa participação mostra o nível de preocupação dos iporaenses a respeito do tema que ganhou espaço na mídia, nos últimos dias, nesse período de final de estiagem, com o manancial que abastece a cidade dando sinais de redução de vazão.


A audiência pública foi promovida pela Comissão de Constituição de Justiça depois que acionada por católicos, através da Paróquia de Iporá e da Pastoral do Meio Ambiente. O vereador Eurides Laurindo (PDT), conduziu os trabalhos da noite. Ele preside a Comissão, da qual fazem parte também os vereadores Eder Manoel (PTB) e Marinho da Mata (DEM). Outros vereadores também estiveram no debate em que a pauta era um aperfeiçoamento no Projeto de Lei 29/2017, ora em tramitação na Câmara e que trata sobre subsídio do poder público municipal para ações na bacia do córrego que abastece a cidade: o Santo Antônio.



O grande público da audiência pública foi formado por populares, alunos da UEG, IF Goiano e FAI. Estiveram presentes líderes de segmentos organizados e autoridades, as quais discursaram, todas em apoio à urgente necessidade de ações para recuperação ambiental no córrego Santo Antônio e que resulte em aumento no volume de águas.


O prefeito Naçoitan Leite (PSDB) disse da importância do projeto que apresentou e para o qual disse que quer o apoio da sociedade. Ele afirmou que outrora outras ações na bacia não foram bem sucedidas porque não destinavam recursos públicos para que os produtores comprassem arame e postes para as cercas que são necessárias em nascentes e margens, a fim de evitar pisoteio de gado.


João José Dias, diretor regional da Saneago, esteve presente em nome do órgão que capta a água para distribuição e afirmou que a empresa é preocupada e parceira para o incremento de ações na bacia do Santo Antônio.


O Juiz Wander Soares Fonseca, diretor do Fórum de Iporá, prestigiou o evento com sua presença, fazendo reflexão jurídica sobre a interferência em propriedades privadas das margens do córrego, mas afirmando ser possível um instrumento legal para contribuir com a recuperação ambiental.


A UEG se mostrou parceira em qualquer ação a ser feita, o que ficou claro na fala do seu diretor, Valdir Specian. Paulo Alves (PT), vereador em Iporá, disse da importância de vigência imediata do projeto e que haja provisão orçamentária para que, de fato, os resultados cheguem até a bacia do Santo Antônio.


Melhorias para o projeto


A fala de Derick Martins Borges de Moura, técnico que fez estudo sobre a bacia, trouxe itens a serem incluídos no projeto para que o tornem mais eficaz. Ele citou que, além de cercas em nascentes e margens, pode-se prever no projeto curvas de nível no solo e bacias de contenção ao longo de estradas. Foi dito na audiência sobre a necessidade da existência de um Conselho Municipal de Meio Ambiente para que esteja vigilante quanto à essa área. O prefeito Naçoitan Leite apresentou para todos o jovem Alexandre Teixeira Lopes, de formação na área ambiental, e que passa a ser funcionário da Prefeitura para atuar exclusivamente no assunto. Este também fez uso da palavra, quando disse de formas de operacionalizar ações em favor da bacia do Santo Antônio.


Finda a reunião o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, vereador Eurides Laurindo, obteve uma série de itens novos a serem acrescidos ao Projeto de Lei 29/2017, o qual deve ser aprovado na Câmara nos próximos dias.

O que achou dessa Notícia?
24 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

2 comentários

  • Elias Rocha 05/10/2017

    FALANDO SOBRE A SECA QUE JÁ DURA 3 ANOS EM TODO O PAÍS: Depois de 3 anos de chuva escassa (transição do "El Niño" para "La Niña"), recursos hídricos escasseiam em todo o país. Em municípios vizinhos, como Montes Claros, Jussara, Arenópolis (falando de regiões que frequento), as águas secaram ainda mais. Louvável a iniciativa da CÂMARA MUNICIPAL (vereador Eurides) e IGREJA CATÓLICA em apoiar a preservação do Santo Antônio, cujas águas ainda conseguem abastecer Iporá, por enquanto. Por motivos pessoais, não fui ontem à reunião. Mas me preocupo com o tema e acho fundamental prevenir o pior, com apoio dos RIBEIRINHOS, comunidade e PODER MUNICIPAL. Mais de 1000 novos lotes estão sendo vendidos em Iporá e o futuro preocupa. Ah, falando agora o que acho essencial. O QUE A SANEAGO ESTÁ FAZENDO sobre novas opções de captação de água? Pelo meu irmão Walmir, engenheiro da Saneago durante quase 40 anos,
    • Elias Rocha 05/10/2017

      Pelo meu irmão Walmir, engenheiro da Saneago durante quase 40 anos, sei do projeto de captação de água no Ribeirão Santa Marta, que tem manancial maior e resolveria de vez o problema da cidade. Foi aprovado há mais de 20 anos... O que foi feito pela SANEAGO desde então? Resumo: o assunto é importante e envolve a participação de toda a comunidade e órgãos públicas. Informo que na minha propriedade, as matas ciliares do Santo Antônio estão cercadas (aroeira e arame liso) há mais de 10 anos. Falta cercar os afluentes. Estamos providenciando, desde então, curvas de nível e a instalação de bebedouros artificiais, para que o gado tenha outras opções além das vertentes. Entendo que muita coisa ainda precisa ser feita por todos nós. Como exemplo da seca no país, vejam abaixo a foto de represa (totalmente seca) no Sul de Minas Gerais, a maior região produtora de café no país...
  • Oívlis Áldrin Charles Morbeck Barros de Souza 05/10/2017

    A Audiência Pública na noite de ontem, ocorrido no auditório da Câmara Municipal de Iporá, presidida pelo vereador Eurides Laurindo foi de extrema importância, especialmente quando verificamos a participação da sociedade civil e organizada na discussão e no aperfeiçoamento da lei (com sugestões para sua melhoria), em um tema de essencial importância para a existência da vida no planeta Terra, a ÁGUA. O ribeirão Santo Antônio e seus afluentes estão pedindo socorro para não morrerem, e se eles morrerem, morreremos também. A Pastoral do Meio Ambiente, em que estou coordenador, agradece a iniciativa do projeto de lei do Poder Executivo municipal, na pessoa do prefeito, Sr. Naçoitan Araújo Leite, e ao vereador Eurides Laurindo por ter possibilitado a discussão e o debate do tema. Todos temos a ganhar. Os desafios e os problemas socioambientais são os mais diversos, mas com o envolvimento de todos poderemos e seremos capazes de encontrar a melhor solução.
    • Thiago Rocha 06/10/2017

      Esse ano ocorreu o II Fórum Regional das Águas, promovido pelo Curso de Geografia da UEG/Campus Iporá, que está desenvolvendo um excelente trabalho em prol do tema levantado... Esse ano o II Fórum elaborou uma Carta sobre a Crise Hídrica no Cerrado com enfase para o Ribeirão Santo Antônio. Essa discussão está vindo anos, a UEG tem professores excelentes que já vem monitorando a bacia do Ribeirão, Existem Dissertações, Teses, Artigos que tratam do assunto. Ao meu ver, o problema e maior do que imaginamos. O município faz ideia de quantos poços artesianos tem na bacia como um todo? Esse ponto é critico!

Comente

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano.