JAUPACI: Vereadores apontam irregularidade em eleição de Câmara

09/12/2014
adriano-reis-veloso-rocha-dill.jpg

Dill: Eleito com 7 votos a favor. Houveram duas abstenções de vereadores que contestam a regularidade da eleição

Uma eleição realizada na noite desta segunda-feira, 8, na Câmara Municipal de Jaupaci,e que elegeu o vereador Adriano Reis Veloso da Rocha, o Dill, como presidente da casa para o biênio 2015/16 deverá ser contestada na Justiça, com a alegação de que esta atropelou o regimento interno da Câmara, ocorrendo fora da data prevista.


Os vereadores Luiz Carlos Ferreira Gonçalves (presidente do PSDB) e Walker Antônio de Oliveira (PSD) anunciaram para a emissora local, a Rádio Lírios do Campo, que vão entrar com mandado de segurança na Justiça para anular a eleição. Segundo eles, o regimento interno estipula o dia 15 de dezembro para que seja feita esta eleição e o presidente da Casa, vereador Edivaldo Batista Guimarães Filho (PMDB) antecipou o pleito.


O vereador Luiz Carlos, da bancada de oposição vinha sendo lembrado para presidente da Câmara. Sua pretensão foi atropelada pela eleição anunciada com antecipação. O PMDB, que só tem 4 vereadores, portanto, minoria da totalidade de 9, decidiu apoiar o tucano Adriano Reis Veloso da Rocha, o Dill, e com isso o elegeu, numa inusitada aliança. Walker Antônio de Oliveira (PSD) disse que a atitude do vereador Dill é de infidelidade partidária e cabe punição.


De sua parte, o vereador Luiz Carlos afirma que quer que a Justiça decida sobre o ritual da eleição, o qual julga feito com irregularidade. O vereador disse que respeita o resultado democrático, mas discorda da forma, observando ter havido desrespeito ao regimento interno.


Dill fala com OG


A reportagem do Oeste Goiano falou com o vereador Adriano Reis Veloso, o Dill, sobre a questão. Ele diz que o descontentamento dos dois vereadores é de quem não admite ter perdido a eleição da Mesa Diretora da Câmara. Os dois abstiveram de votar nele. Os demais votaram com a única chapa inscrita para o pleito.


Dill afirma que para fazer esta aliança com os peemedebistas conversou antes com o alto escalão de seu partido e, portanto, não há infidelidade partidária. Disse ainda que acredita que a Justiça não anulará a eleição e se isso ocorrer, numa nova escolha de presidente, se isto tiver que ser feito, o resultado será o mesmo. Dill comentou para esta reportagem que, para a eleição desta segunda-feira, os favoritos para se tornarem presidentes eram Luiz Carlos Ferreira, Walker Antônio de Oliveira e Amaro Araújo.  Dill relembra que seu nome não era o preferido entre seus colegas de bancada. O vereador eleito presidente disse lamentar tambpém que não foi procurado pela emissora local para manifestar sua opinião sobre o fato. Ainda sobre a questão de infidelidade partidária, Dill afirma que isto foi ato tentado pelos seus colegas de bancada, quarenta e cinco minutos antes do pleito,  ao oferecer o apoio para eleger o peemedebista Geraldo Mangela. O novo presidente relembra que, em primeiro de janeiro de 2013, um fato poderia ter sido também classificado como infidelidade partidária, quando o próprio vereador Walker Antônio de Oliveira e Luiz Carlos Ferreira e Robson Ferreira de Souza e le, Dill, juntaram-se ao vereador Edivaldo Batista Guimarães para dar a ele a presidência da Casa. Dill, que será presidente do Legislativo a partir de primeiro de janeiro, tem como colega de Mesa Diretora o vereador Robson Ferreira de Souza, o qual também é do PSDB.

O que achou dessa Notícia?
14 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.