IPORÁ: Muitas ruas sem asfalto, poeira no ar e doenças respiratórias

25/08/2019
poeira-e-doencas-respiratorias25082019.jpg

Em bairros periféricos de Iporá os moradores estão sofrendo com a poeira desses meses de estiagem. 


A reportagem do Oeste Goiano recebeu reclamações de moradores da Vila Brasília e Setor Novo Horizonte, exatamente os dois setores maiores, onde o número de ruas sem asfalto é muito grande. A camada de poeira é grossa em ruas desses setores.


A Vila Brasília e o Setor Novo Horizonte são populosos. Portanto, são muitas famílias na poeira, inclusive, crianças, as quais são mais susceptíveis às doenças causadas por situação de poluição do ar.


As obras de asfalto dos últimos anos foram poucas em Iporá. E a cidade continua a ter muitos moradores na poeira, nesta época do ano, sem falar na lama e nos buracos que são próprios dos meses de chuva.


Molhar ruas para impedir poeira é tarefa impossível. A Prefeitura não conseguiria. São muitas ruas nestas condições. Só quando vier as chuvas esta situação vai melhorar e aliviar adultos e crianças.


Sobre as doenças causadas pela poeira a reportagem procurou um médico iporaense, o Dr. Danilo Alvim de Paiva Gonçalves, o qual confirma a gravidade da poeira para a saúde e salienta que a poeira funciona como um irritante que age alterando o epitélio das vias respiratórias superiores. Com isso, reduz as defesas das células ciliares, aumentando os riscos de doenças das vias respiratórias superiores como sinusites, rinites e até pneumonias.

O que achou dessa Notícia?
20 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

1 comentário

  • Fátima Maria de Jesus 26/08/2019

    Eu até tento e tender a gestão municipal, pois não é tarefa fácil gerir com qualidade em tempos de crise. Porém as políticas públicas que se referem à saúde precisam ser prioritárias. E a questão da falta de pavimentação urbana em Ipora é sem dúvida uma grande problemática. Sabemos que se trata de uma cidade com crescimento geográfico tímido, não há uma espansao urbana em larga escala. Daí a possibilidade de um plano diretor exequível que traga como ponto prioritário a infra estrutura urbana, com foco no saneamento. Em pleno século XXI não deveríamos estar discutindo sobre asfalto, esta deveria ser uma pauta já resolvida, pois com planejamento estratégico e plano diretor fomentado a população é servida com condições minimas. Mas quero sim crer que tanto o executivo quanto o legislativo estejam debruçados em busca de possibilidades de políticas públicas fortes e eficazes pra gerar qualidade

Comente

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano.