Pediatra Iporaense ministra palestra em Minas Gerais

12/09/2018
saulo-menezes12092018.jpg

O Cardiologista e Pediatra Saulo Menezes foi convidado pelo IMEPAC (Instituto Master de Ensino Presidente Antônio Carlos) de Araguari/MG para palestrar sobre o tema: Refluxo Gastroesofágico na Infância – Uma abordagem prática. A palestra aconteceu no dia 07 de Setembro durante o II COEPS (Congresso dos Estudantes e Profissionais da Saúde) e o convite foi feito pela Liga de Pediatria da instituição. 


Com vasta experiência na área, Dr. Saulo apresentou seus conhecimentos teóricos e relatou casos reais já atendidos em seu consultório. Formado em Medicina pela Universidade Federal de Goiás em 1981 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria desde 1985, Dr. Saulo criou e foi responsável pelo Serviço de Pediatria e Neonatologia do Hospital Evangélico de Iporá por duas décadas.


Além do Hospital Evangélico, foi Pediatra do Hospital Municipal de Iporá de 1986 a 2013 e em 2017, implantou o ambulatório de Pediatria e Puericultura no Hospital Municipal de Caiapônia. Atende em Iporá, Caiapônia e Montes Claros de Goiás.


Saiba mais: O que é Refluxo Gastroesofágico na Infância?


O Refluxo Gastroesofágico (RGE) é o retorno do conteúdo gástrico ao esôfago, devido à diminuição da função do esfíncter (válvula) que se localiza entre o esôfago e o estômago. É frequente em crianças, na maioria das vezes de evolução benigna e caracterizada pela presença de vômitos ou regurgitações.


A maior parte dos casos corresponde ao refluxo fisiológico, resultante da imaturidade dos mecanismos de barreira antirefluxo, podendo cursar com falta de apetite, dificuldade de ganho de peso, azia, queimação no peito e, ainda, sintomas respiratórios como: chiado no peito, tosse crônica, laringite, faringite, otite, engasgos e pigarro.


O diagnóstico do RGE é clínico, baseado nos sintomas apresentados. Existem exames complementares disponíveis para confirmação e detecção de complicações.


As crianças com refluxo gastroesofágico devem ser acompanhadas durante toda a infância, pois embora a maioria delas melhore, outras podem persistir com os sintomas e inclusive apresentar outras alterações associadas ao refluxo.

O que achou dessa Notícia?
10 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.