Protesto Fora Bolsonaro acontece pela segunda vez em Iporá

05/07/2021
29e580ac-9ed6-4359-814e-3a92da2bb66705072021.jpg

No último sábado, 3 de julho, Iporá foi uma das mais de 300 cidades brasileiras que realizaram protestos pedindo o impeachment de Bolsonaro. Foi uma tarde de diálogo entre os iporaenses que estão inquietos com os rumos do Governo Federal. As manifestações país afora aconteceram no contexto das denúncias de corrupção feitas pela CPI da Covid contra o Presidente. Em Iporá e nas diversas cidades onde aconteceram, uma das principais reivindicações foi de vacina para todos. Os atos apresentaram um tom de denúncia, responsabilizando o Governo Federal por parte das mortes na pandemia, que teriam sido evitadas se houvesse uma gestão mais eficiente, segundo os manifestantes. 


Essa foi a terceira mobilização nacional Fora Bolsonaro, que provocou mais de 800 mil brasileiros a saírem às ruas para pedir o impeachment de Bolsonaro. Em Iporá, foi a segunda vez que o ato aconteceu - segundo os organizadores, dessa vez a mobilização se fortaleceu em comparação à outra que foi realizada dia 19 de junho. O ato aconteceu em frente à Toca, conhecido ponto de cultura da cidade, onde foram distribuídos cartazes e adesivos.  


Um dos participantes, o advogado Olavo Carvalho, disse que "este governo representa um risco ao Estado Democrático de Direito" e que seria uma questão de responsabilidade social reivindicar o impeachment. Já a atriz Roseli de Assis, que também integrou o ato, disse não concordar com "um governo genocida, machista e homofóbico" e diz querer um país melhor para seus filhos. 


O evento teve um tom artístico-cultural. A sonorização foi com músicas de protesto, de artistas que ficaram conhecidos pela resistência à Ditadura Militar, como Elis Regina, Sérgio Sampaio e Chico Buarque, e também novos talentos da MPB que têm se manifestado contra a política federal em curso, como Criolo, Baiana System e Emicida. 


Durante o ato, o artista Hattos Gomes, junto com o coletivo BSKgang, de Iporá, pintaram um grafite. Segundo o grafiteiro, que perdeu o pai na pandemia, o fato do Presidente da República negar a ciência teria sido o principal motivo de seu pai ter acreditado que máscara não fazia sentido, que o vírus foi criado pela China e outras crenças negacionistas, o que teria provocado seu contágio. O artista também perdeu uma tia na pandemia e seu trabalho usou essas referências de dor e de morte para reivindicar o fim do "Desgoverno Bozo", em suas palavras. 


Foi percebida uma preocupação dos participantes em prevenir o contágio de coronavírus. Durante o evento, que foi ao ar livre, foi possível reparar que todos mantinham distância de segurança ao conversar. Foi disponibilizado no local máscaras tipo FF-2. A mobilização nacional de atos Fora Bolsonaro definiu 24 de julho como uma nova data de protestos. 


Em Iporá, o movimento tem se articulado pelo perfil @forabolsonaroipora no Instagram e no Facebook.

O que achou dessa Notícia?
52 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

2 comentários

  • Adriano Cardoso de Rezende Vieira 05/07/2021

    Era só ter jogado uma carteira de trabalho no meio dessa manifestação que ela acabava na hora kkkkkkkkkkk. BOLSONARO 2022
  • Adriano Cardoso de Rezende Vieira 05/07/2021

    #bolsonaro2022 tamojunto

Comente