Opinião

A ganância por cargos, nomeações e os critérios políticos e técnicos

Valdeci Marques
04/02/2019


Há governo novo e, por isso, muitas nomeações. São os chefes de órgãos públicos ou assessores que são colocados a frente dos mais diferentes segmentos da lida pública. Em ocasiões como esta vê-se as atenções de muitos despertadas para estes cargos, a busca por eles e, em alguns casos, com ganância e até em outros casos, com ganância desmedida.

 

A busca por melhores condições para a vida de cada um é algo normal. Todos buscam uma boa oportunidade de trabalho. Isso só é errado se, na relação com o todo, com a sociedade, isso soar desconexo com o interesse maior, o da coletividade, já que somos todos irmãos e nossas aspirações precisam coincidir as do próximo, cabendo aí o exercício do segundo mandamento cristão.

 

Mas é muito comum na vida e, especialmente no ambiente político-administtrativo, a estrapolação de conduta, a imposição de vontades e, em muitos casos, em desfavor do interesse da comunidade. O mundo político é feito de ganância, de busca em nome de vaidade, holofotes, de honra, de comodidade pessoal e em desconsideração com interesses gerais de um povo.

 

Em um avanço que é natural na história, fruto da conscientização de cada um, de um sistema mais democrático que distribui um pouco melhor as oportunidades, o Brasil começa a perceber uma valorização do aspecto técnico em exercícios de gestões públicas. Já se pratica isso. O presidente recém empossado adotou isso em algumas nomeações.

 

Em Goiás, o novo governador, Ronaldo Caiado, parece estar se esforçando para isso, na busca de nomes com perfil técnico, capazes da boa gestão, pessoas que não estão ligadas a partidos, mas que corresponderiam a frente de pastas. Edival Lourenço é exemplo disso. Esse iporaense foi nomeado para secretário de cultura e é apartidário. Não esteve pedindo votos pra ninguém e nem se sabe em quem ele votou para governador.

 

Há sinal do novo! Felizmente! Em qualquer sociedade, dentro de todos os segmentos: educação, saúde, segurança, economia, etc..., sempre há bons nomes de pessoas que sabem gerir um segmento em nome de avanços do interesse da comunidade. Os governantes, enfim, já começam a atentar a isso, com vontade de que a gestão dê um resultado prático.

 

Ao longo de toda história o que vimos sempre foi o político eleito nomear um chefe de órgão público em pagamento de favores, atuação em campanha, porque esteve pedindo votos pra ele, porque é parente de líder político que o apoiou e, em muitos casos, aquele que preenche o cargo político não tem o perfil ideal e, em alguns casos, nem é moralmente correto.

 

Agora é preciso ressaltar também aquilo que o aspecto político tem de positivo. E isso diz respeito a uma proposta de campanha, um compromisso levado ao povo, aprovado em urnas e que precisa ser colocado em prática. Em muitos casos, pessoas engajadas em campanha são também de perfil técnico, conhecedoras dos compromissos dos eleitos e cientes da forma de efetivar isso em uma gestão.

 

Aquele que tem perfil técnico precisa também estar ciente a respeito do que o mandatário maior, o que é eleito, quer para a comunidade. E se quer é porque é compromisso ungido em urnas e que o povo aprovou. Aquele a ser nomeado precisa, de fato, defender as bandeiras de luta aprovadas nas urnas. Dessa forma, compatibiliza-se o perfil técnico com o político.

 

Que seja assim em Goiás para todas as áreas da vida pública. O povo goiano merece o melhor e que a História, nesse degrau de mais quatro anos, faça prevalecer as melhorias de serviços públicos.

Valdeci Marques

Valdeci Marques é escritor e diretor do jornal Oeste Goiano.

Mais Opiniões
O que achou desse Artigo?
8 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano ou Facebook para comentar.

    Botão do Facebook
    Faça aqui o seu cadastro!