Opinião

É preocupante a situação do córrego que abastece a cidade de Iporá

Arthur Coutinho
14/08/2013

Tivemos uma participação no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que foi firmado há quatro anos entre produtores, Comosa e Ministério Público. Por isso, podemos opinar sobre esse assunto que diz respeito ao córrego que abastece a cidade, o Santo Antônio. Eu também penso que a situação é preocupante. É preciso ser feita alguma coisa a favor deste manancial e de seus afluentes. Na época do TAC aquela foi iniciativa muito boa do promotor da época, José Carlos de Miranda Nery Júnior. É uma pena que sempre tenha que haver trocas de promotores e cada um tem uma preocupação diferente e não é dado continuidade no trabalho do outro. Foi o caso do Santo Antônio. Está faltando continuidade, inclusive, aprendendo com erros do passado.

 

O que houve de errado naquilo foi que as mudas plantadas na área de preservação permanente precisavam ter sido maiores e um outro erro ficou por conta dos atrasos nos plantios. Nem sempre se plantava no início do período chuvoso, como é o ideal. Outro fator que é preciso destacar para entender porque aproveitaram-se poucas mudas , é que o Santo Antônio é um córrego raso, muito assoreado e, quando ocorre as enchentes, a caixa dele não suporta as águas da chuva, que se espalham pela margem ribeirinha e, nestes casos, numa enchente mais duradoura, uma muda pequena , não suporta, por exemplo, ficar submersa por uns 3 dias. Ela morre. Por tudo isso aproveitou-se pouco daquela iniciativa de fazer cercas e plantar mudas para recompor a mata ciliar do córrego Santo Antônio.

 

A tarefa em torno do córrego que abastece a cidade, de recuperá-lo, é de todo mundo. Primeiramente, é preciso dizer que não dá para pensar em fazer o córrego, a curto ou médio prazo, recuperar suas águas e ter uma vazão bem maior. O córrego tem seus limites. A bacia tem seus limites. Agora, para fazer algo de concreto mesmo deverá ser um trabalho arrojado. Na época do TAC, falei muito sobre a necessidade de se fazer um trabalho de microbacia. É preciso impedir que o córrego fique assoreado. Agora precisamos da ajuda das máquinas trabalhando a nosso favor (trator e terraciador) levantando terraços e bacias, as quais retém águas, evitam as enxurradas e erosões, fazendo o papel das àrvores, amortecendo as gotas das chuvas e retendo elas para o lençol freático e o mesmo abastecendo os mananciais . Através da Saneago e Prefeitura, é preciso ter esse trator e terraciador fazendo esse trabalho de microbacias nas margens do Santo Antônio e de seus afluentes. Isso vai dar vida ao manancial, o que traz benefícios para as pastagens e serve para alimentar o lençol freático. Além disso, é claro que é preciso manter as cercas para impedir que gado aproxime das margens. Com o uso frequente do capim braquiária nas margens dificilmente as mudas vão crescer. Para isso, é preciso fazer um trabalho de coroamento em torno destas mudas, se não elas não vão conseguir se sobressair no meio do capinzal. É muito trabalho. A tarefa não é fácil. Não será tarefa só para produtores ribeirinhos. É preciso da Prefeitura, Promotoria, Batalhão Florestal, Ongs e principalmente da Saneago, que precisa ser a parte mais interessada, a qual precisa da água para abastecer a cidade.

 

Dos produtores é preciso exigir que respeitem a área de preservação permanente. Não se deve fazer hortas nestes locais e, muito menos, usar produtos químicos nestes plantios, pois isso vai contaminar a água que nós bebemos. Cada um tem uma tarefa nesta ação de preservação do córrego. Mas o dever maior cabe ao poder público, seja municipal, estadual ou federal. É preciso de grandes investimentos para, pelo menos, manter o córrego, tal como é, em condições de servir Iporá e sem que as águas diminuam. Estamos a disposição para ajudar nesta tarefa.

Arthur Coutinho

Arthur Coutinho é agrônomo. Foi o técnico que orientou no plantio de mudas nas margens do córrego Santo Antônio quando do Ajustamento de Conduta entre produtores, Comosa, Prefeitura de Iporá e Ministério Público.

Mais Opiniões
O que achou desse Artigo?
28 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

1 comentário

  • Maria Joana 14/08/2013

    Muito válida a lerta, pois a água é o bem mais valioso que temos.

Comente

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano.

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano ou Facebook para comentar.

Botão do Facebook
Faça aqui o seu cadastro!