Opinião

OS GLUMINÕES!!! O que são eles???

Lázaro Faleiro de Miranda
16/12/2017

No rompante do átimo de um instante, no susto de um segundo, sorrateiros, sinistros, espaçosos, manhosos, matreiros, sisudos; cistos da sociedade, eles chegam-chegando de mansinho, pelos caminhos para dominar tudo. Pestilentos, agourentos, grandes demais; ocupam o espaço de uma casa ou algo mais...

 

 

No vaivém do vento, assomam e tomam universidades; no fricote de fantasias, falcatruas e fabulações, invadem fábricas e repartições; esses vilões viciantes e vazios vituperam e imperam sua morbidade nas casas, nas cidades, na cabeça e no coração de todas as idades.

 

Tal e qual hera malsã, como proliferam esses titãs! À medida que se multiplicam, minimizam seu tamanho; no entanto, triplicam sua tamanha sanha de influenciar, dominar, escravizar, tornar tacanhos nossos sonhos! Em sua tirania de dominar, ditar normas e formas de trabalhos e tarefas, de influenciar a todos, desde a mais tenra idade; tripudiam, trapaceiam sobre toda a humanidade!

 

Pequenos e abjetos objetos de dominação, hoje já cabem na palma da mão! Portadores de pródigos poderes de proliferação, multiplicam-se a mil por segundos, infestam o mundo, intensificam seu poder de destruição.

 

O povo que os detém não tem o gosto pelas coisas queridas, caras e boas da vida: “O convívio com as pessoas, o prazer de uma pescaria na lagoa, os papos prazerosos após o expediente; o jeito jocoso de jogar conversa fora, as cantorias que varam as horas, embelezam o dia; as caminhadas despreocupadas, a poesia de uma noite enluarada, enfeitando a madrugada; o jeitinho jeitoso da namorada; o amor gostoso da mulher amada; a riqueza de um arrebol, de um pôr-do-sol; o cortejo do alvorecer sertanejo; a beleza feiticeira de um botão de flor, o banho benfazejo na cachoeira, o amor maior de mãe e mulher, a esperança no sorriso de uma criança; o gostoso e proveitoso conluio com um céu todo estrelado, com o aroma, a flor, o fruto do cerrado e com a paz de um coração capaz de amar e de ser amado...”.

 

Presas aos gluminões, esses vilões da modernidade; as pessoas perdem tudo: sua crença, caráter, capacidade, elos, anelos, anseios e sonhos, tornam-se bisonhos, tristonhos, trastes, coisas à-toa, sem personalidade!

 

Na proporção que esses satânicos seres proliferam; os humanos perdem a privacidade, o siso e o juízo, o preciso prazer de pensar e de amar, a pureza original, o alto astral de sua essência e eficiência em assumir e agir por si só; amarram-se a esses mefistofélicos monstros em um nó que não desata; em sua vida pacata deixam de ser donos de seu nariz, metamorfoseiam-se em feias e meras máquinas, frias, sem vida, hauridas, vazias; sem passado, sem presente, sem porvir, sem raiz; vivem a violência em vilipêndios que não avaliam o próximo e, por um triz, massacram, matam qualquer infeliz!

 

Malograda, massacrada, atada a esses seres da sombra e da sagacidade, a humanidade deixa de ser feliz!

Lázaro Faleiro de Miranda

Lázaro Faleiro de Miranda é pedagogo, escritor, comerciante, radialista e produtor rural

Mais Opiniões
O que achou desse Artigo?
1 voto
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

1 comentário

  • ARNON GERALDO FERREIRA 18/12/2017

    Parabéns professor por essas poesias em forma de palavras, saudosos os outros tempos a que vivíamos e eramos felizes e não sabíamos, quando ainda não eramos escravos da modernidade e do ter e não do ser. O tempo bom o da infância da inocência la na roça e ate mesmo na cidade nas ruas ainda não asfaltadas e as raladas nos joelhos no bairro mato grosso.

Comente

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano.

Faça seu Login

Use sua conta do Oeste Goiano ou Facebook para comentar.

Botão do Facebook
Faça aqui o seu cadastro!