Opinião

Querem aprovar em Iporá taxas ambientais que vão penalizar todos

Marcus Dias
16/04/2019


Na condição de advogado e fazendo uso do conhecimento na área e até como cidadão, estamos nos posicionando contra a intenção da Prefeitura de Iporá em fazer aprovar um projeto de lei que cria muitas taxas ambientais. O projeto é anticonstitucional e pesa demais para o bolso de todos os moradores da cidade.

 

Eu faço sobre o projeto as seguintes considerações:

 

- Os artigos do projeto são colocados de forma distorcida. Está tecnicamente errado. Eles precisariam distinguir aspectos rurais e urbanos. Não fazem isso. O que se busca no país é preservação e no projeto não se distingue isso. Trata a todos como potenciais poluidores. Ora, isso é um absurdo. Se a pessoa procura a Prefeitura para pagar taxa não poder ser tratado assim.

 

- O projeto fala em poder de polícia, no artigo segundo, frisando que fica instituída a taxa de licenciamento ambiental cujo fato gerador é o poder de polícia. Isto está errado. Ora, poder de polícia não pode ser fato gerador neste caso. Isto está em desacordo com o Código Tributário Nacional. A Secretaria já tem o poder de fiscalização e essa lei não pode ter isso como fato gerador de lei ambiental. Fato gerador é objeto em que você está incidindo o imposto. Portanto, está errado.

 

- Falam em licenciamento de extração mineral para dentro da cidade, o que pode até haver, mas é totalmente fora de padrão.

 

- Para pegar a todos, seja na área física ou jurídica, querem criar licença ambiental simplificada e falam em categorias, criam o micro, mas aí ainda dividem o micro em três. Ora, no Código Tributário não tem nada além do micro. Isto está errado.

 

- Pela lei proposta o cidadão, seja rico ou pobre, se quiser cortar uma árvore, vai enfrentar uma taxa e essa nnessa taxa eles falam em árvore sadia ou morta. Qualquer que seja o tipo da árvore o cidadão vai pagar. Essas taxas, na qual são incluídas estas, que são as simplificadas, ainda podem estar relacionadas a outros licenciamentos. Diz o texto: demais taxas relacionadas ao licenciamento ambiental, sendo estas para empreendimento ou para exercício de atividade potencialmente poluidora ou utilizadora de recursos naturais. Pelo que se coloca no texto a Secretaria de Meio Ambiente não terá como fazer nada em recuperação ou preservação ambiental.

 

- Está errada a intenção de fazer com que a Secretaria faça lei ordinária e no artigo segundo fala que os padrões para o porte do empreendimento eles serão definidos pela Secretaria em instrução normativa ou por lei. Isso é inconstitucional. É como no caso em que criam o micro do micro. Também errado.

 

- São muitos os exemplos abusivos. Uso o do corte de árvores que é o mais simples. Fala-se que quem fizer este procedimento tem que fazer requerimento. E isso não é simples não. Se fizer o requerimento errado vai pagar a taxa e multa. Pode acontecer do morador ter que pagar muito por um serviço que não deveria pagar era nada. A preservação do meio ambiente urbano não pode ser feita em cima de taxação. Essa preservação teria que se dar em cima de conscientização.

 

- A lei proposta é inibidora de investimentos. Se essa lei passar, poucas pessoas de fora terão coragem de vir empreender em Iporá. A cidade sempre foi ruim para captar investidores e isso por culpa do poder público.

 

- Ficamos sem entender o objetivo desta lei: se é para prejudicar e arrecadar ou se é lei sem critérios mesmo, feita no estilo do copiar e colar pra ver no que vai dar. Temos muito a perder e nada a ganhar com tantas taxações.

 

- Esperamos que os vereadores não aprovem o projeto que vai a votação na semana que vem. De nossa parte, pelo Democratas, temos o vereador Marinho da Mata que está contra tudo isso e do lado do povo, bem como outros vereadores. É torcer para que não seja aprovada. Estudamos a lei não vimos nela um interesse que seja de proteção ambiental. Não tem critério tributário, nem financeiro e nem jurídico.

Marcus Dias

Marcus Dias é advogado com atuação em Goiânia, Iporá e região

Mais Opiniões
O que achou desse Artigo?
34 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano.

    Faça seu Login

    Use sua conta do Oeste Goiano ou Facebook para comentar.

    Botão do Facebook
    Faça aqui o seu cadastro!